Selecione qualquer texto do Portal Álvaro Velho para ouvi-lo!   Click to listen highlighted text! Selecione qualquer texto do Portal Álvaro Velho para ouvi-lo! Powered By GSpeech
Sociedade
KIOSK(ext)
WEBMAIL
Abrir Painel

TOP_Artigos

150 anos da Tabela Periódica dos Elementos Químicos

150 anos da Tabela Periódica dos Elementos Químicos

150 anos da Tabela Periódica dos Elementos Químicos - 1869 a 2019 2019 é o Ano Internacional da Tabela Periódica dos Elementos Químicos. Uma resolução das Nações Unidas e da UNESCO…

Ler mais.....

Retrato de Portugal

Retrato de Portugal

Retrato de Portugal - 2017     Já está disponível o novo Retrato de Portugal (versão 2017). Um resumo de indicadores desde 1960 até à atualidade, números que contam a…

Ler mais.....

Brain 3M

Brain 3M

Projeto educativo que oferece uma forma diferente de dar aulas de neuroanatomia, integrando a tecnologia. Este programa, financiado pela Universidade Estadual da Pensilvânia, conta com uma plataforma que combina diferentes…

Ler mais.....

COVID-19 | PLANO DE CONTIGÊNCIA DO AGRUPAMENTO

COVID-19 | PLANO DE CONTIGÊNCIA DO AGRUPAMENTO

  O Agrupamento de Escolas Álvaro Velho elaborou um plano de contingência, a partir das orientações recebidas pela Direção-Geral de Estabelecimentos Escolares (DGEste), de modo a permitir enfrentar, de modo…

Ler mais.....

Perfil dos alunos à saída da Escolaridade Obrigatória no séc.XXI

Perfil dos alunos à saída da Escolaridade Obrigatória no séc.XXI

Perfil dos alunos à saída da Escolaridade Obrigatória O documento, 'Perfil dos alunos à saída da Escolaridade Obrigatória' (ver anexos) encontra-se em consulta pública até ao dia 13 de março…

Ler mais.....

Guiões de Educação Género e Cidadania

Guiões de Educação Género e Cidadania

Guiões de Educação Género e Cidadania Com os Guiões de Educação Género e Cidadania, pretende a Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género (CIG) responder à crescente e generalizada…

Ler mais.....

A ESCOLA INCLUSIVA: DESAFIOS

A ESCOLA INCLUSIVA: DESAFIOS

A ESCOLA INCLUSIVA: DESAFIOS - IGEC A presente publicação (ou clica na imagem) pretende, partindo das conclusões do trabalho dos inspetores da Educação, em cada escola, dar mais um contributo para…

Ler mais.....

Dados e Estatísticas do Ensino Básico, Secundário e Superior

Dados e Estatísticas do Ensino Básico, Secundário e Superior

Infocurso, um site ao qual os alunos podem recorrer para conhecerem melhor o nossos ensino básico, secundário e superior. Os cursos disponíveis no ensino superior Que cursos tem cada Universidade…

Ler mais.....

O FUTURO DO TRABALHO

O FUTURO DO TRABALHO

O FUTURO DO TRABALHO clica na imagem UM OLHAR SOBRE AS PROFISSÕES E O EMPREGO PERANTE O IMPACTO TRANSFORMADOR DA QUARTA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL. Chamam-na a Quarta Revolução Industrial. E não…

Ler mais.....

Selva - o lugar de todos os animais

Selva - o lugar de todos os animais

  A Selva é uma Plataforma informativa que pretende abordar várias áreas da vida animal e das relações entre humanos e os demais animais que connosco partilham o Planeta. Entre…

Ler mais.....

Envelhecer em Portugal e na Europa

Envelhecer em Portugal e na Europa

Quanto tempo podemos esperar viver? E com que qualidade? Que problemas éticos estamos a enfrentar? Num país envelhecido como Portugal, como está a sociedade a mudar para enfrentar os desafios…

Ler mais.....

Arquivo de Provas e Exames

Arquivo de Provas e Exames

Arquivo de Provas e Exames O Banco de Exames e Provas é um arquivo de todos os instrumentos de avaliação concebidos no âmbito da missão do GAVE, desde 1997. Neste…

Ler mais.....

Regresso às aulas

Regresso às aulas

Regresso às aulas - estratégias para prevenir as dificuldades numa fase de transição e de adaptação na escola Para algumas crianças, setembro representa o início de mais um ano letivo,…

Ler mais.....

Novas regras relativas a dados pessoais

Novas regras relativas a dados pessoais

Novas regras relativas a dados pessoais Há novos desafios na proteção de dados com a entrada em vigor do novo Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) em 25 de…

Ler mais.....

Descobrimentos Portugueses

Descobrimentos Portugueses

Descobrimentos Portugueses - aplicativo ANDROID Aplicação sobre os Descobrimentos Portugueses, destinada aos alunos de História e Geografia de Portugal do 2º ciclo de escolaridade. Inclui 22 atividades sobre o tema…

Ler mais.....

Guias de Biodiversidade de Lisboa

Guias de Biodiversidade de Lisboa

Guias de Biodiversidade de Lisboa Lisboa acolhe uma grande diversidade de aves cuja beleza é reconhecidamente assinalável. Este importante grupo de espécies encontra na cidade alimentação, local de nidificação e…

Ler mais.....

Portugal Desigual

Portugal Desigual

  Com este site, apresenta-se uma nova análise sobre os impactos da crise económica: o estudo “Desigualdade do Rendimento e Pobreza em Portugal: Consequências Sociais do Programa de Ajustamento”, da…

Ler mais.....

As alterações climáticas

As alterações climáticas

As alterações climáticas já estão a mudar o mundo Devido ao {tip title="Efeito de estufa" content="Fenómeno natural que ocorre quando a radiação visível (V) e parte da radiação ultravioleta (UV) provenientes…

Ler mais.....

Minecraft Hour of Code Tutorials

Minecraft Hour of Code Tutorials

Minecraft Hour of Code Tutorials A Microsoft e a Code.org associaram-se novamente, para oferecerem um novo recurso gratuito para aprender a lógica da programação, seguindo a famosa metodologia dos blocos…

Ler mais.....

O retrato dos jovens em Portugal

O retrato dos jovens em Portugal

O retrato dos jovens em Portugal - estudo PORDATA Sabia que, desde 1993, os jovens dos 16 aos 24 anos são maioritariamente inactivos? Ou que a taxa de desemprego jovem…

Ler mais.....

User Rating: 0 / 5

User Rating: 0 / 5

Como gerir a ansiedade dos alunos antes e durante os testes

ansiedade

O problema surge quando os níveis de ansiedade são muito elevados e interferem na e com a realização da tarefa de forma negativa, neste caso, nos testes.

in Ana Rodrigues da Costa, Porto Editora

A ansiedade poderá ser considerada positiva no sentido em que, geralmente, motiva e ajuda a realizar melhor as tarefas. É uma resposta emocional de adaptação, antecipadora e normal perante situações cujos resultados desconhecemos.

Vamos, assim, dar sugestões para a gestão adequada desta ansiedade antes e durante os testes.

Num primeiro momento, a palavra de ordem é organização. Para isso é imprescindível:

  • fazer um horário de estudo, semanal, que contemple todas as disciplinas, independentemente de ter ou não testes; as atividades de tempos livres e todos os tempos que saiba, antecipadamente, que vai ocupar. Deve ser um horário realista e passível de ser cumprido;
  • ter todo o material de que vai necessitar num sítio acessível (mesa/secretária), para que não tenha que estar constantemente a levantar-se e a ir procurar material.

A seguir é a planificação.

Para esta ser eficaz é necessário:

  • listar a matéria que sai no teste;
  • distribuí-la pelos dias que faltam para o teste (pelo menos cinco ou seis dias antes), deixando para o último dia antes do teste será para as revisões e a autoavaliação. Esta distribuição deve ser o mais realista possível, dado que não se podem descurar as outras disciplinas;
  • em cada dia começar por fazer uma breve revisão e depois estudar novos objetivos. No final, responder a questões sobre o que estudou. Se for necessário, voltar a estudar ou colocar as dúvidas ao professor;
  • no último dia, fazer uma revisão de toda a matéria, responder a questões por escrito ou oralmente, para efetuar a autoavaliação e se necessário estudar melhor determinadas matérias.

Quanto ao local de estudo, este deve ser arejado, com luz natural e, de preferência junto a uma mesa ou secretária, com temperatura adequada, sem ruídos incomodativos, assim como sem distratores como TV, telemóvel, etc. Deve sentar-se numa cadeira confortável mas não na cama ou no sofá.

A seguir as palavras de ordem são atenção e concentração.

Começar por identificar os objetivos mais importantes e selecionar por onde começar a estudar. O tempo seguido de estudo deve situar-se entre os 20 e os 40 minutos (o tempo depende da idade e do ano de escolaridade). Fazer um breve intervalo (cerca de 10 minutos) e retomar de novo. Durante o tempo de estudo não permitir interrupções, deve focar-se ao máximo no que está a fazer. No intervalo poderá fazer qualquer atividade que não seja muito interessante e que não exceda o tempo estipulado para o descanso. Se necessário, reajustar o horário, para que seja o mais exequível possível.

No dia do teste:

  • Não estudar, isto só faz com que a ansiedade aumente e, quando isso acontece, parece que tudo o que estudámos foi em vão, não nos lembramos de nada, o que, por sua vez, vai aumentar ainda mais a ansiedade.
  • Chegar a horas às aulas, não faltar às aulas anteriores para estudar.
  • Ouvir com muita atenção as indicações do professor e ler o teste todo, rapidamente, antes de começar a responder. Se tiver dúvidas e se o(a) professor(a) autorizar, colocá-las.
  • Começar pelas perguntas mais fáceis e só depois as mais difíceis.
  • Pensar sempre que se é capaz, que se está muito bem preparado(a) e que por isso não há nada a temer.
  • Antes de responder às questões de desenvolvimento fazer um pequeno esquema para se responder a tudo o que é perguntado. Para isso, ler com muita atenção toda a pergunta.
  • Controlar o tempo para poder responder a tudo sem pressas ou aflições.
  • Após terminar o teste, voltar a lê-lo e fazer as correções que forem consideradas pertinentes.

User Rating: 0 / 5

Tratar os Media por Tu – Guia prático de Educação para os Media

Tratar os Media por Tu

publicação oferece aos docentes do 1.º, 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico e do Ensino Secundário um conjunto de propostas práticas para a lecionação dos Media na sala de aula lançado pela Direção-Geral da Educação.

User Rating: 0 / 5

O que leva os jovens a participar na política?

cativar os jovens para a politica

Alheados dos partidos e das instituições políticas, que causas e que formas de intervenção mais levam os jovens portugueses a agir? Quase metade dos jovens portugueses até aos 30 anos diz não ter votado nas últimas eleições. Não se revêem nos partidos nem em muitas associações, mas estão cada vez mais activos na internet. Quem está a fazer a diferença na sociedade civil? E como? (ver anexos)

User Rating: 0 / 5

Novas regras relativas a dados pessoais

rgpd

Há novos desafios na proteção de dados com a entrada em vigor do novo Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) em 25 de maio de 2018. O referido diploma legal traz consigo vários desafios tanto aos cidadãos, como às empresas e outras organizações privadas e públicas. 

Fonte: Joana de Sá | JDSadvogados | Janeiro 2018

RGPD/ TSF

Aplica-se a todas as empresas que tratem de dados pessoais, ou seja, que realizem operações que envolvam dados de pessoas singulares. Estas alterações afetam também todas as empresas que façam o seu negócio com cidadãos da UE, mesmo que a empresa esteja sediada fora da União. Qualquer organização/ empresa responsável pelo tratamento de dados responde pelos danos causados por um tratamento que viole o regulamento, sendo obrigado a indemnizar a pessoa que tenha sofrido danos materiais ou imateriais devido a essa violação. 

Informação relativa a uma pessoa singular identificada ou identificável. Inclui dados genéticos e dados biométricos.

Conceito de identificável inclui o nome, número de identificação, dados de localização, identificadores por via eletrónica, bem como um ou mais elementos específicos da identidade física, fisiológica, genética, mental, económica, cultural ou social dessa pessoa singular.

Tratamento inclui não só a recolha, mas também todo o “manuseamento”. 

Algumas das inovações do sobredito diploma (ver anexos) – Regulamento (EU) 2016/ 679 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27/ 04/ 2016:

  • Coimas máximas de 20 milhões de euros ou 4% do volume de negócios anual do grupo empresarial;
  • Substituição das notificações à CNPD por um sistema onde são as empresas que têm de decidir sozinhas se determinado tratamento é legal ou não, os conceitos de privacy by design e privacy by default;
  • Obrigação de implementação de medidas de segurança adequadas, como por exemplo mecanismos de encriptação;
  • Obrigação de designar um encarregado para a proteção de dados, a alteração das regras sobre obtenção de consentimento, novos direitos atribuídos aos titulares dos dados;
  • Implementação do direito de portabilidade, a criação de obrigações acrescidas para os subcontratados;
  • Obrigações de notificação relativas a violações de dados pessoais. 

Privacy by design

Privacidade desde a conceção, significa que a cada novo processo de negócios ou serviço que use dados pessoais, deve-se ter em conta a proteção desses mesmos dados. Na prática, significa que o departamento tecnologias e informação (TI) tem de dar importância à privacidade durante todo o ciclo de vida do desenvolvimento ou processos de tratamento de dados pessoais.

Privacy by default

Significa que as configurações de privacidade aplicam-se automaticamente quando um cliente adquire um novo produto ou serviço. Noutras palavras, não deverá ser necessária qualquer alteração manual para que as configurações de privacidade sejam aplicadas a todos os novos titulares de dados pessoais de um determinado sistema. 

Accountability

Exige que seja implementado um programa de conformidade capaz de monitorizar a conformidade em toda a organização e demonstrar às autoridades de proteção de dados e aos titulares dos dados que toda esta informação pessoal está em segurança.

Oposição ao profiling

Os titulares dos dados têm direito a opor-se ao uso de profiling, ou seja, qualquer forma automatizada de processamento de informação pessoal, com o objetivo de avaliar e tipificar indivíduos com base nos seus dados pessoais.

Privacy impact assessments

Permite que a organização encontre problemas nas fases iniciais de qualquer projeto, reduzindo os custos associados e danos à reputação que poderiam acompanhar uma violação das leis e regulamentos de proteção de dados.

 

rgpd2

As verificações que devemos fazer? 

  • Onde estão os dados pessoais? Sistemas? Papel?
  • Estão atualizados? Possuímos um registo organizado?
  • Temos consentimento dos titulares de dados com todos os requisitos do RGPD?
  • Estamos preparados para dar resposta a todos os direitos dos titulares de dados?
  • Os sistemas garantem a confidencialidade, integridade e disponibilidade dos dados?
  • Conseguimos detetar qualquer violação de dados logo que ocorra e comunicá-la em 72 horas?
  • Temos políticas e procedimentos que permitam avaliar e gerir os riscos?
  • Conseguimos recolher evidências e demonstrar que cumprimos com o RGPD?
  • E enquanto processador de dados por conta de terceiros, cumprimos o RGPD?
  • Já nomeámos um Encarregado da Proteção dos Dados (DPO)? 

rgpd3

Tal como referido, a aplicação da legislação comunitária em análise está agendada já para Maio, pelo que se revela urgente a consciencialização e formação dos principais sujeitos abrangidos por este novo regulamento, bem assim como que se iniciem as operações tendentes à implementação das boas praticas e regras de regulação e funcionamento que permitam o cumprimento do RGPD.

O RGPD vem precisamente reforçar os direitos dos titulares sobre os seus dados, permitindo-lhes ter conhecimento sobre que dados seus estão a circular, quem os conhece e para que fins serão utilizados. O Regulamento estabelece um conjunto de direitos como:O RGPD vem precisamente reforçar os direitos dos titulares sobre os seus dados, permitindo-lhes ter conhecimento sobre que dados seus estão a circular, quem os conhece e para que fins serão utilizados. O Regulamento estabelece um conjunto de direitos como:

Direito à transparência – Os titulares dos dados têm o direito de saber que tratamentos são efetuados sobre os seus dados.Por exemplo, no caso de estarem a ser recolhidas imagens e som (ou poderem vir a sê-lo) deverá existir informação visível que informe os titulares sobre a realização das gravações.

Direito à informação – Os titulares têm o direito de solicitar ao responsável pelo tratamento dos dados, informações sobre o tipo de tratamento a que os seus dados estão a ser sujeitos. As informações devem ser prestadas por escrito. Se o titular assim o solicitar, a informação poderá ser prestada oralmente, desde que a identidade do titular seja comprovada por outros meios.Por exemplo, no momento da recolha dos dados, o titular deve ser informado sobre o tratamento de que os mesmos serão alvo.

Direito de acesso – Os titulares têm o direito de saber se os seus dados são ou não objeto de tratamento por parte de uma organização. Caso sejam alvo de tratamento, o titular tem o direito a aceder aos seus dados pessoais e às seguintes informações:

  • Finalidade do tratamento;
  • Categorias dos dados pessoais em questão;
  • Destinatários ou categorias de destinatários a quem os dados são, foram ou serão divulgados;
  • Prazo previsto de conservação de dados, ou se tal não for possível, os critérios para fixar esse prazo;
  • Garantias de conhecimento e tratamento adequado sempre que os dados forem transferidos para um país terceiro ou uma organização internacional;
  • Acesso a uma cópia dos dados pessoais em fase de tratamento.

Se o pedido for apresentado por meios eletrónicos, a informação deverá ser fornecida num formato eletrónico de uso corrente. 

Direito de retificação – Direito de solicitar a retificação de dados incorretos e preenchimento de dados incompletos. Cada retificação efetuada pelo responsável pelo tratamento implica a comunicação dessa alteração às entidades a quem os dados tenham sido transmitidos, salvo se essa comunicação se revelar impossível ou implicar um esforço desproporcionado.

Direito ao apagamento – Os titulares dos dados têm o direito de solicitar o apagamento dos mesmos, o que deverá decorrer sem demora injustificada. O apagamento dos dados é ainda obrigatório nas seguintes situações:

  • Quando os dados deixam de ser necessários para a finalidade que motivou a sua recolha ou tratamento;
  • Quando o titular retira o consentimento para o tratamento (desde que não exista outro fundamento para esse tratamento);
  • Quando o titular se opõe ao tratamento e não existem interesses legítimos prevalecentes que justifiquem esse tratamento;
  • Quando os dados foram tratados ilicitamente;
  • Para dar cumprimento a uma obrigação jurídica decorrente do direito da União Europeia ou de um Estado Membro a que o responsável esteja sujeito;
  • Quando os dados foram recolhidos no contexto da oferta de serviços da sociedade da informação.

O direito ao apagamento tem de ser conciliado com as obrigações jurídicas que o responsável pelo tratamento de dados deve assegurar relativamente às entidades oficiais, que nesse caso se sobrepõem. Por exemplo, o dever de manutenção de faturas emitidas.

Direito à limitação do tratamento – O titular pode opor-se ao apagamento dos seus dados pessoais e solicitar a limitação do seu tratamento (inserção de uma marca nos dados pessoais conservados para limitar o seu tratamento no futuro). Neste contexto, o titular tem direito a que o responsável faça a limitação do tratamento num dos seguintes casos:

  • Durante o período em que o responsável de proteção de dados valida a exatidão dos mesmos, após contestação de incorreção por parte do titular.
  • Quando existe tratamento ilícito e o titular se opõe ao apagamento, pode solicitar a limitação da utilização.
  • Quando o responsável já não precisa dos dados para tratamento, mas os mesmos são requeridos pelo titular para efeitos de declaração, exercício ou defesa de um direito num processo judicial.
  • No caso do titular se opor ao tratamento nos termos do 21.º, n.º 1 até se verificar que os motivos legítimos do responsável se sobrepõem aos do titular.
  • Opor-se, a qualquer momento, ao tratamento de dados que lhe digam respeito para efeitos de comercialização.

O responsável pelo tratamento tem de comunicar a cada destinatário, a quem os dados tenham sido transmitidos, qualquer limitação de tratamento que tenha feito, salvo se essa comunicação se revelar impossível ou implicar um esforço desproporcionado. Em todas estas situações, os dados podem ser conservados, mas o seu tratamento só poderá decorrer mediante consentimento do titular, para efeitos de declaração, para exercício ou defesa de um direito em processo judicial, para defesa de outra pessoa singular ou coletiva ou por motivos de interesse público da União Europeia ou do Estado Membro.

Direito de oposição – O titular poderá opor-se à utilização dos seus dados para efeitos de comercialização direta.

Direito à notificação – Os titulares dos dados devem ser notificados ou ser-lhes dado conhecimento nos casos em que os seus dados pessoais estejam a ser recolhidos ou tratados. Por exemplo: Os colaboradores das empresas têm o direito de ser informados sobre as situações em que existe algum tipo de monitorização de equipamentos de trabalho ou geolocalização. No caso de viaturas, quando não se sabe quem conduz, deve ser colocado um dístico na viatura a informar que é efetuada a geolocalização da mesma. Se existir algum tipo de monitorização dos equipamentos/instrumentos de trabalho usados pelo funcionário o mesmo tem de ser informado/notificado disso.

Direito à não sujeição a decisões automatizadas – O titular dos dados tem o direito de solicitar intervenção humana em processos habitualmente automáticos. Por exemplo: Nos casos em que existem mecanismos de profiling, o titular pode exigir que haja uma intervenção humana nesse processo automatizado para que a decisão não seja tomada de forma exclusivamente automática. Porém, se tiver dado o seu consentimento explícito nesse sentido, esse tratamento automatizado já será possível.

Direito à portabilidade – O titular dos dados pode solicitar que os mesmos sejam transferidos para outra empresa/entidade (à semelhança do que acontece com as operadoras de telecomunicações). Pode querer transferir os seus dados clínicos, créditos de formação ou outros. Nestes casos, deve ser usado um formato de uso corrente.

Referência: Direitos dos Titulares. (2018). RGPD

Anexos:
Download this file (Infocedi_76_A_Crianca_e_o_Direito_a_Imagem.pdf)Infocedi_76_A_Crianca_e_o_Direito_a_Imagem.pdf[Definições sobre a Criança e o Direito à Imagem]2181 kB
Download this file (priv_desktop_pag2-1.png)priv_desktop_pag2-1.png[Infografia sobre a exposição dos dados pessoais na internet]488 kB
Download this file (regulamento_UE_2016_679.pdf)regulamento_UE_2016_679.pdf[Regulamento (EU) 2016/ 679 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27/ 04/ 2016]1024 kB
Download this file (Resumo-Regulamento_Europeu_Protecao_de_Dados.pdf)Resumo-Regulamento_Europeu_Protecao_de_Dados.pdf[ ]2017 kB

User Rating: 0 / 5

Em busca de um canudo - o universo do ensino superior em Portugal

canudo

clique na imagem

Hoje um curso não significa uma profissão e o futuro pode ser sinónimo de várias carreiras. Como podem as universidades e politécnicos preparar os seus alunos para estes desafios? Como se estão a adaptar às novas exigências do mercado de trabalho? Disciplinas como Filosofia ainda são fundamentais para criar massa crítica? Vamos passar a estudar ao longo de toda a vida?

Há cada vez mais portugueses formados em Gestão, Ciências, Informática ou Engenharia ou a obter diplomas na área de serviços ou da saúde. Mas um curso já não significa uma profissão e o futuro parece ser sinónimo de várias carreiras e outras tantas formações. O mercado procura cada vez mais jovens licenciados com pensamento crítico, boas capacidades de comunicação e negociação, que se adaptem rapidamente a diferentes desafios e com ideias “fora da caixa”. E para os mais jovens o conceito deixou de ser o do emprego para a vida, passando a ser, sobretudo, um acumular de experiências laborais.

Devem as universidades e politécnicos preparar os seus alunos para estes desafios? Como se estão a adaptar às novas exigências do mercado de trabalho? E que competências devem aprofundar para lhes dar mais ferramentas para um futuro incerto?

Fonte: Fronteiras xxi

User Rating: 0 / 5

Relatório "Estatísticas da Educação" - síntese de resultados (2016/ 17)

estat educ 2017

1.º ciclo

O número de alunos que chumbam voltou a diminuir no passado ano letivo, com destaque para os estudantes do 1.º ciclo. Pelo quarto ano consecutivo, aumentou a taxa de transição e conclusão dos alunos do ensino básico: 94,5% dos alunos concluíram o ano letivo 2016/2017 com sucesso. Entre os alunos do 1.º ciclo, a redução de chumbos começou a registar-se no início do século, uma tendência quebrada apenas em 2010. No ano letivo 2014/2015, 95,9% dos alunos conseguiram terminar o 1.º ciclo com sucesso, situação que veio a melhorar até ao passado ano letivo, quando chumbaram 3% dos alunos. No ano passado, do 1.º para o 2.º ano de escolaridade nenhum aluno ficou para trás porque a lei não o permite, mas do 2.º para o 3.º ano mais de 7% dos estudantes tiveram de repetir. Nos dois últimos anos do 1.º ciclo, as taxas de sucesso superaram os 97%.

2.º e 3.º ciclos

Entre os alunos do 2.º ciclo, 5,8% dos alunos chumbaram no ano passado, segundo os dados agora revelados, que mostram que os resultados têm vindo a melhorar nos últimos quatro anos. No ensino básico, o 3.º ciclo é o mais problemático: apenas 91,5% dos estudantes passou no ano passado, sendo que este é o melhor resultado dos últimos cinco anos (em 2012/2013, chumbaram 15,9% dos alunos). No secundário, as taxas de retenção têm vindo a diminuir desde o ano letivo de 2011/2012. No ano passado 5,1% dos alunos não conseguiram terminar o ano com sucesso.

Secundário

Os dados mostram que o 12.º ano continua a ser o mais problemático com um em cada quatro alunos (26,2%) a não conseguir concluí-lo com sucesso. Houve um aumento de 2,1% de alunos a frequentar o secundário. Esta evolução positiva das taxas de sucesso atribui-se "ao esforço colocado pelas escolas no desenvolvimento das estratégias locais, no âmbito do Programa de Promoção do Sucesso Escolar", que foi lançado em 2016. Os dados divulgados apontam também para um aumento de adultos inscritos em programas de formação, duplicando os valores do ano letivo anterior, em resultado do primeiro ano de aplicação do programa Qualifica.

Consultar...

Anexos:
Download this file (PRT_TxRetencao.pdf)PRT_TxRetencao.pdf[Taxa de retenção]45 kB
Download this file (PRT_TxTransicao.pdf)PRT_TxTransicao.pdf[Taxa de Transição]45 kB
Download this file (Relat_EstatisticaEducacao-2017_sintese_de_resultados.pdf)Relat_EstatisticaEducacao-2017_sintese_de_resultados.pdf[resultados]745 kB
Click to listen highlighted text! Powered By GSpeech